Muitos estão insatisfeitos com a monetização de Mario Kart Tour... Mas os fãs da Nintendo permanecem fiéis! (Fonte: Montagem/Reprodução)
Muitos estão insatisfeitos com a monetização de Mario Kart Tour... Mas os fãs da Nintendo permanecem fiéis! (Fonte: Montagem/Reprodução)

Agora que Mario Kart Tour existe há um tempo, opiniões formadas podem começar a aparecer. A maioria parece ser negativa, criticando a Nintendo por adicionar um pacote agressivo de monetização quando até a Apple e o Google estão indo além disso. Chega até ao ponto em que alguns se perguntam em voz alta se esse é mesmo um jogo de Mario Kart real. Afinal, ele não pode nem fazer uma Rainbow Road corretamente.

Ainda assim, muitos jogadores declaram em voz alta o quanto estão se divertindo. Eles trazem à tona os argumentos perspicazes habituais como “Eu posso ganhar sem gastar um centavo” e “se você não gostar, não jogue”. Mas o que os especialistas em jogos para celular têm a dizer? A Nintendo finalmente foi longe demais em seus erros móveis?

O site PocketGamer, focado em games mobiles, recentemente disse que Mario Kart Tour trouxe 90 milhões de downloads em sua primeira semana. No entanto, apesar desse número incrível, ele obteve apenas US$ 13 milhões em receita para a primeira semana.

O PocketGamer reconhece que os assinantes mensais têm uma avaliação gratuita. Decerto, algo que diminui o número. Mas ainda fica muito aquém do que você esperaria com 90 milhões de downloads. Para explicar o que poderia estar errado, a PocketGamer consultou vários especialistas em jogos para dispositivos móveis.

As críticas

O primeiro foi Ben Cousins, CEO da ISBIT Games. Ele ressaltou o que achava serem os três principais erros da Nintendo. O maior problema para ele foram os controles, embora um segundo próximo tenha sido a decisão de exigir a criação de uma conta Nintendo.

Ele estimou que quase um terço dos jogadores em potencial poderia não insistir no game pelo compromisso instantâneo. Nessa nota, ele também fala sobre a assinatura mensal do Tour. “Existe uma barreira difícil para a assinatura”, disse ele, “a um preço que faz pouco sentido em termos de tempo para o Apple Arcade e o Google Play Pass“.

Em seguida foi Mikkel Celinder, proprietário do AppCrimes.com. Ele também odiava os controles. Mas seguiu o pensamento de que a jogabilidade e a monetização não se complementam. Jogadores atualizam karts e pilotos jogando. Sendo isso verdade, por que alguém deveria se sentir tentado a gastar dinheiro para desbloquear coisas novas? Por isso, Celinder disse que “a monetização parece um complemento e não parte do jogo principal”.

Tim Rachor, diretor criativo da Evil Grog Games GmbH, voltou seus pensamentos para outra coisa. O que acontece quando Mario Kart Tour ganhar o prometido multiplayer? “Após o empurrão inicial da Nintendo para o ‘pay-to-win’, cunhando o termo ‘free-to-start’, me pergunto como uma monetização mais agressiva seria aceita em um ambiente competitivo”.

Finalmente, Rob Dagwell. O chefe de esportes da Bidstack foi mais solidário com a Nintendo. Ele lembra aos leitores que a Nintendo tentou um jogo sem compras no aplicativo com Super Mario Run. E falhou. “Com nostalgia vem a expectativa”, ele disse.”E o nível de expectativa que os jogadores tinham para Mario Kart e Super Mario foi estabelecido pela Nintendo”.

Além disso, todos eles concordaram que este não é o fim para a Nintendo no mercado mobile. Os muitos títulos da empresa podem ter sucesso apenas no nome. Portanto, mesmo que um mobile de The Legend of Zelda fizesse você pagar US$ 10 por mês apenas para usar a Master Sword, ainda haveria muitos fãs para dizer “se você não gostar, não jogue”.