Mortal Kombat Mode Avengers
Como faz pra colocar um monte de gente na tela?

Quando Greg Russo aceitou escrever o novo filme de Mortal Kombat, a maior conveniência que lhe facilitou a vida foi certamente ser um fã de longa data da franquia. Contudo, embora isso possa adiantar bastante coisa e ser de fato valiosíssimo, não é tudo. Assim, não demorou para Russo se deparar diante de um dos principais desafios na hora de adaptar uma franquia desse porte: a grande quantidade de personagens.

E diante da missão de talvez selecionar dezenas de personagens, Russo só viu uma saída: Ativar o “Modo Avengers”. Isto é, dar um jeito de todo mundo aparecer, mas de maneira satisfatória. Em outras palavras, Greg Russo está diante de um desafio enorme, e quer seguir a receita do filme mais visto na história do cinema.

Contudo, de nada adianta ter a receita do bolo mais saboroso do mundo, se você não tiver os ingredientes necessário$. O escritor falou um pouco sobre o que isso significa ao site Comic Book.

“Uma das coisas mais complicadas que eu acho em adaptar esse tipo de obra é que existem muitos personagens, né? Acho que existem uns 70 personagens de MK, e não dá pra fazer a mesma coisa feita no Universo Marvel, certo?

Greg Russo, e uma missão desafiadora pela frente. Imagem: Verve

Por exemplo, não podemos fazer um filme de Sonya e depois fazer um filme de Liu Kang. Assim, somos forçados a entrar no “Modo Avengers” logo de cara. Quando isso acontece do ponto de vista da história, você naturalmente terá que conciliar muitos personagens diferentes.” diz o escritor, ciente do malabarismo que pretende fazer.

Lições aprendidas com ‘Aniquilation’

Greg é ciente de que não poderá escalar a franquia inteira para esse filme. Logo, tão desafiador quanto saber quantos vão para a tela agora é saber COMO vão para ela. “Ok, quem faz sentido para este primeiro filme?” e “Quem faz mais sentido para o que seria talvez um capítulo subsequente deste mundo?

Eu acho que uma lição que aprenderemos com o “Aniquilação” – segundo filme da franquia – é que quanto mais você tenta enfiar personagens no filme, mais eles podem se perder na história, e assim ficarem jogados.” reflete Greg.

Quem entrar, entra com conteúdo

Embora o medo do filme virar uma farofa sem sentido ao abordar esse tema, Greg procura tranquilizar os fãs. “Se vamos colocar muitos personagens nisso, queremos ter certeza de que eles tenham uma chance de serem de fato desenvolvidos, aperfeiçoados e que desempenhem um papel real na história. Isto é, ninguém vai vai fazer pontas nesse projeto, a não ser que isso seja explorado futuramente.

Gancho pra uma sequência

De fato, ainda está mais do que cedo para se especular sobre qual rumo a nova história de MK tomará nos cinemas. Contudo, o escritor já se aproveita do volume da franquia para borrifar alguma informação sobre o que esperar de uma sequência.

“Em termos de escolha real dos personagens, certamente haverão muitos rostos familiares. Acho que a maioria dos personagens que você conhece e ama estarão lá. Quem não estiver, é porque foi decidido que é melhor salvá-lo para um ponto posterior, onde ele pode realmente brilhar e ser desenvolvido apropriadamente.”

Em suma, Greg Russo pretende acionar o Modo Avengers, e vai com meio mundo pra telona. Mas quem não couber nessa, vai ter que entrar no round two.